O tal do diploma

cafejornalJá faz uns dois meses que eu tenho uma resposta na ponta da língua para a pergunta “qual a sua profissão?”. Jornalista, respondo sem hesitar. Não tenho diploma de graduação em jornalismo e ainda não terminei a pós-graduação. Mas já sou jornalista, sem dúvida. Sempre gostei de escrever, gosto de relatar aquilo que vi(vi), e cada vez mais me surpreendo com a beleza de descobrir novos mundos, ler o que nunca li, falar sobre temas que até ontem eram raros no meu repertório.

Entendo que muitos graduados em jornalismo são contra a não-obrigatoriedade do diploma, e confesso que nem sei o que a lei está exigindo no momento. Quando estudava Letras, eu era contra a existência de qualquer pessoa dando aulas que não tivesse algum curso de licenciatura. Acho natural, afinal temos sempre a tendência ao protecionismo.

Mas o questionamento que faço hoje não é somente em relação ao diploma de jornalismo, mas de qualquer curso e área. Vivemos um momento em que o conhecimento é tridimensional em vez de unilateral. A maioria das profissões não exige conhecimento aprofundado em uma área, mas uma visão muito mais abrangente de diversas áreas. Aliás, tenho visto cada vez mais pessoas formadas em cursos não relacionados à profissão que escolheram seguir: chefes de departamento formados em engenharia, psicólogos formados atuando como vendedores, médicos que abriram um bar. Mais ainda, é comum ver pessoas que alternam suas profissões e empregos: eletricista por 10 anos e professor de inglês nos 10 anos seguintes, por exemplo.

É por isso que um professor bom pode ser, quem sabe, um ex-porteiro de prédio, e jornalista bom pode ser um ex-advogado. A formação em engenharia pode ajudar um funcionário a desenvolver boas estratégias de marketing para a empresa. Fiquei feliz quando vi que a editora de treinamento da Folha de São Paulo disse que “o que se vê, em geral, é que estudantes que concluíram outras graduações, como história ou direito, têm uma formação teórica melhor”. E não me espanto.

Não acho, com isso, que ninguém mais deve fazer faculdade de jornalismo. Se tivesse tempo ou uma graduação muito diferente (tipo Farmácia), eu certamente faria. Mas acredito ser importante que uma redação de qualquer veículo tenha pessoas com diferentes “backgrounds”. Também não desejo corroborar com a falta de estudos: os diplomas de graduação são importantes e é bom que todos façam um curso superior quando tiverem a oportunidade.

Mesmo assim, devemos entender que há algumas profissões que exigem graduações específicas, principalmente nas áreas médicas. Para advogar, creio ser importante alguém devidamente cadastrado na OAB. Não deixaria construir minha casa um arquiteto que não tenha um número do CREA. E jamais aceitaria um médico que não cursou medicina e nem tem um CRM.

Para escrever, apurar fatos, atuar com ética e contribuir por uma sociedade mais justa, é necessário entendimento de texto, muita leitura, força de vontade e pensamento crítico. Isso não se aprende em faculdade.

Anúncios