Vivendo, aprendendo e rindo

A Record aprendeu e cancelou o Aprendiz. Ahá! Sacou o trocadilho? Foi uma boa opção. O que não falta é ideia é pra colocar na programação… ehh, quer dizer, pelo jeito falta.

Que história é essa de processarem o Rafinha Bastos? Que país é esse em que vivemos? Não se pode mais dar risada? Não se pode mais fazer piada de nada? O pior não é um advogado da APAE entrar com processo pra tentar ganhar uma graninha, mas um juiz proibir a venda do DVD.

O brasileiro desaprendeu a rir de si mesmo. Desaprendeu a ser bacana. Está parecendo aqueles velhos ranzinzas que acham tudo ruim.

Rei Davi está indo bem. Gostei e estou acompanhando. Pelo menos essa minissérie não corre o risco de me irritar com ideias conservadoras a respeito de livros didáticos, conforme aconteceu com uma outra produção que eu parei de assistir antes do fim.

O segundo livro da série As Crônicas de Gelo e Fogo (mais conhecida como Guerra dos Tronos) é excelente. Infelizmente demorei pra ler. Foram dois os motivos: falta de tempo, falta de organização do tempo e as férias de verão (desculpe, mas não vou ler um livo em Floripa, na-na-não… deixei o livro na mala até mesmo quando choveu).

Ontem eu assisti um trechinho de Amazônia. Eles estavam falando sobre a primeira semana no lugar. Aí que caiu minha ficha que o programa é semanal mas foi gravado de uma vez (claro!). Acho que aquele treco precisava de um ritmo mais acelerado.

Não gostei da Juliana Paes como a Gabriela da minissérie que a Grôbs vai fazer. Acho que a Gabriela tem que ser mais “menina safada” e menos mulherão. Eu colocaria, por exemplo, a Mariana Rios, que é mais “carne fresca” no mercado.

Oscar Filho na bancada do CQC. É isso aí, galera. Gostei.

Pontos

Alguns pontos a considerar:

 

Eis que as coisas na TV ficam cada vez mais diferentes. E cada vez mais iguais. O SBT está conseguindo ótimos índices pela tarde mas ainda perde pra Record no horário nobre. Foi copiado naquela história de colocar filmes especiais nos feriados, mas ainda tem um pouco a percorrer para voltar ao segundo lugar. Se a Record continuar economizando dinheiro, planejando mal suas produções, e exibindo The Love Story à tarde, a vida do tio Silvio vai ser mais fácil. Ninguém cresce tanto, nem cai tanto, nem nada. Vai ficando tudo a mesma coisa. Sai o Tom, entra o Justus, sai um entra outro e a gente vai ficando com preguiça. Zzzzzzz.

 

Um pequeno adendo: – “The Love Story”? Que P#$%A é essa?

 

A TV por assinatura vai mudar. A nova lei, que prevê a criação e exibição de conteúdo nacional na TV paga deve aumentar bastante o número de produções nacionais. Se serão produções de qualidade, aí é outra história. Já está provado que o povo brasileiro prefere coisas brasileiras ou, pelo menos, dubladas. Preferir programas nacionais, Ó-quêi. Mas preferir dublagem não é significado de valorização da língua de Camões, e sim falta de capacidade de ler legendas.

Já escrevi sobre esse tema duas vezes no Cinem(ação): AQUI e principalmente AQUI. A quem quiser ler mais argumentos a respeito do assunto, seguiro que leiam este texto do Pablo Villaça.

 

E a Denise Del Vecchio que é transexual? Achei sensacional. Palmas pra Cristianne Fridman que está finalmente alcançando o que conseguiu com Chamas da Vida. É uma pena que ela vai sair da Record depois dessa novela. Pelo que dizem.

 

Maurício Meirelles sempre mereceu mais do que tinha no Legendários. E agora vai pro CQC. Merecido. Espero que o programa se renove um pouco em 2012, com trocas importantes de repórteres.