Voltando… quiçá

Vou procurar postar com mais frequência. Sei que ando sumido, e não há um único motivo para isso.

Talvez os motivos estejam mais vinculados ao Cinem(ação) que, somado ao trabalho, consomem quase todo o meu tempo. Outro motivo talvez seja o pouco tempo que tenho dedicado à TV. Como eu falava muito de TV, acabei  ficando sem assunto.

Talvez seja apenas um hábito que estou mudando: ver menos TV pode ser bom porque sobra mais tempo para outras coisas. Se eu estivesse lendo mais livros, seria ainda melhor.

No entanto, vou voltar a falar de assuntos variados. Pelo menos vou tentar.

Anúncios

Enquanto isso…

Enquanto a gente vai estudando, trabalhando e ficando fora de casa mais que o necessário, as coisas vão acontecendo.

Os ministros do Supremo estão votando. Tudo promete que não vai acabar em pizza, embora seja cedo para dizer.

As Paralimpíadas estão tendo mais destaque na Globo que as Olimpíadas. Talvez isso seja bom. Talvez não seja bom nem ruim. Mas é estranho.

-Aí a Record resolveu criar a tal “Fazenda de Verão” e botar o Rodrigo Faro… afinal, o Brittão vai apresentar um programa diário nas tardes, sendo que antes seria o próprio Faro, que no fim das contas ficou a ver navios e saiu do Ídolos pra deixar pro Mion… capisce?

-E aí a Ana Hickman chamou a mulher do dono da RedeTV! pra apresentar o programa dela. Eu queria que isso acontecesse só pra escutar as piadas dos humoristas de stand-up a respeito disso. Se bem que se a RedeTV! tiver mais um sócio, vai diluir a piada.

-Apesar de a emissora barrafundense ter recuperado a vice liderança, Carrossel continua firme e forte.

-E a Caarminha segue reinando. Oi oi oi.

…e o futuro é uma astronave que tentamos pilotar…

Sim, eu deveria escrever mais vezes aqui no blog. A correria se dá por diversos motivos:

1- Estou trabalhando cada vez mais. Na semana que vem as aulas começam, e aí o tempo vai ser ainda mais escasso.

2- Vou começar minha pós-graduação em breve. Conforme eu escrevi em algum lugar: sou um projeto de jornalista. Por enquanto.

3- Já estou trabalhando como jornalista. Assistente de redação. E estou gostando bastante. Acho que agora eu sei o que responder quando perguntarem: “O que você quer ser quando crescer”?

E conforme seguimos adiante, temos que deixar algumas coisinhas de lado. A academia é um exemplo. O blog é outro.

Mas vou me esforçar para escrever bastante… e confesso que o Cinem(ação) terá prioridade.

No próximo post, juro que vou tentar não escrever neste estilo “Cosmi Rímoli”.

Eu sumi

Faz um bom tempo que não escrevo no Curyoso. Mas isso vai acabar agora.

Durante um tempo, estive muito ocupado para postar no blog. Mas depois, foi de certa forma por falta de vontade de escrever.

O fato é que eu ainda não escrevi ainda sobre como foi o curso de Teoria, Linguagem e Crítica Cinematográfica. Recomendo o curso para todo mundo que gosta de cinema. Pablo Villaça consegue condensar uma quantidade enorme de informações e conhecimentos em apenas uma semana. No blog dele, ele fez um balanço do curso. Você pode ver aqui. Tem até uma foto com a turma.

Quanto ao resto, está tudo caminhando. Estou trabalhando um pouco menos, e por isso tenho mais tempo livre. É uma pena que eu não tenho tanta disciplina para fazer tanto quanto eu deveria nas horas vagas. Mas pelo menos estou conseguindo viver com um pouco de calma para pensar e colocar tudo em ordem.

No fim das contas, estou transferindo muitas decisões para o segundo semestre. Tem que dar tempo ao tempo.

No último fim de semana, fiz uma coisa que nunca havia feito antes: RAFTING.

É ótimo ter amigos que nos levam a fazer coisas impensadas. Viver a vida plenamente é enfrentar medos, fazer o que nunca se pensou em fazer. E praticar rafting é mais seguro do que eu imaginava. Passar uma noite com os amigos em um Camping também é algo que vale a pena.

Acho que o que mais atrapalha as pessoas hoje em dia é que sempre esperamos uma data especial ou um fim de semana prolongado. Sempre reclamamos que estamos cansados ou sem dinheiro. Acho que de vez em quando precisamos esquecer destes detalhes. Não espere o feriado prolongado e nem ficar milionário para fazer alguma coisa. Esprema novas experiências em meio a fin de semana apertados e orçamentos pouco folgados.

Moral da história: faça Rafting e faça o curso do Pablo Villaça.

rapidinho

–Ok Ok, vocês venceram. Batata Frita? Não. Mas tem espíritos na novela da Elisabeth Jhin. Sorry. Foi mal. Falha minha.

–Estou fazendo o curso de Linguagem e Crítica Cinematográfica do Pablo Villaça. É excelente.

Não sabe quem é Pablo Villaça? tsc tsc…

 

–Só um breve comentário nesta semana corrida e sem tempo: Vidas Opostas vai retornar na Record e eu achei ótimo. Ainda tenho dúvidas se ela segura a audiência atual do CSI, mas é o que veremos. A novela foi ótima, não só pelo texto excelente de Marcílio Morais, mas também pela trilha sonora de Chico Buarque.

Memes

Já faz algum tempo que eu admiro os memes.

Afinal, eles fazem parte desta nova cultura que se instaura por meio da massificação da internet e das mídias sociais.

Memes são, segundo alguns, “unidades básicas de cultura que viralizam na internet”. Mas eu prefiro dizer que memes são como aquelas piadas internas que temos nos nossos grupos de amizade, mas que se abrangem a um grupo muito maior de pessoas.

Vou dar um exemplo:

Uma vez, combinamos de ir a uma “baladinha” entre os amigos. O dono da ideia de sair no sábado à noite acabou se esquecendo de convidar um dos amigos, o Zé. Quando chegamos ao local, todos perguntaram onde estava o Zé. Por algum motivo, nosso amigo disse que ele tinha ido pra Curitiba. Depois, ao descobrirmos que ninguém tinha viajado pra Curitiba, o tema virou piada interna. A partir de então, toda vez que algum amigo não está presente, dizemos que ele “foi pra Curitiba”. Para qualquer pessoa de fora, a piada não faz sentido, mas nós sempre damos risada com isso.

Se isso tivesse acontecido por meio de um vídeo no Youtube, uma propaganda ou um post no Não Salvo, talvez teria virado um meme. Como aconteceu com a Luiza, que está no Canadá (ela não está mais lá, mas o meme continua). No caso da web, também podemos ter memes gráficos, como a imagem do homem dizendo “Ui”:

Existem muitos memes que rolam por aí. Uns são mais conhecidos e outros menos. Não vou explicar de onde eles vieram ou como surgiram, mas apenas mostrar situações para usá-los.

“Puta falta de sacanagem”: Quando estiver bravo com alguma coisa, apenas diga que a situação é uma puta falta de sacanagem. Pode ser em situações sérias , ou de forma irônica.

“Dorgas”: Pode ser uma exclamação ou uma substância a ser ingeridas. Mas escrever “droga” é coisa do passado.

“Aham, Cláudia, senta lá”: O quê? O Neymar superou o Pelé? Aham, Cláudia, senta lá… Ou se alguém insignificante quiser brigar com você, diga apenas: Aham, Cláudia, senta lá.

“Vão se foderem”: Esse daí eu não conhecia direito. Achei engraçadíssimo. Quer xingar alguém? VÃO SE FODEREM. Junto, tem as montagens de fotos feitas com o rosto do autor da frase.

“Significa”: o programa do Ronnie Von não tem tanta audiência para criar um meme. Mas a visibilidade do Top Five, do CQC, fez com que virasse. Sabe aquele seu vizinho meio baitola? Ou o seu tio que mora “com um amigo” aos 40 anos? SIGNIFICA!

“CORRÃO”: Aconteceu uma tragédia, um fato inusitado, ou vai acontecer algum saldão de eletrodomésticos? Mande todo mundo correr.

“Fica, vai ter bolo”: Sabe aquela pessoa chata que você quer que vá embora? Quando ela disser tchau, seja bem irônico: “Fica, vai ter bolo”.“É nóis que voa, bruxão”: depois de um áudio engraçadíssimo gravado com um viciado em games, a frase “É nóis que voa, bruxão”, pode ser usada para qualquer situação de auto valorização.

“Que deselegante”: depois de Sandra Annemberg dizer isso no Jornal Hoje, nada como repetir a frase em alguma situação… hmmm, digamos: deselegante.

“As mina pira”: Quer seduzir as meninas? É só se mostrar sensual e sedutor que “As mina pira”.

Uma questão de fase

A vida tem fases. E o blog acaba representando as fases da vida. Ultimamente, como vocês podem perceber, não tenho escrito muito aqui no Curyoso. Lá no Cinem(ação), em compensação, estou empolgado.

Não que haja preferência ou nada disso: é uma questão de fase.

Também não estou com a animação para escrever mensagenzinhas de feliz ano novo… apenas escrevi um texto que espero que tenham gostado.

Mas 2012 já começou. Quer você queira, que não.