O problema é a inércia

Lembro como se fosse hoje quando a Record anunciou que havia adquirido os direitos de exibição das Olimpíadas de Londres. Na época, a Globo estava focada na cobertura do mesmo evento em Pequim.

Não tenho nada contra nenhuma das emissoras. Mas sempre fui contra a diferença abissal entre a audiência e influência da Globo e as das outras emissoras. Não acredito que isso seja saudável.

Logo que começaram as Olimpíadas, comentei a respeito dos jogos e ouvi a seguinte afirmação: “esse ano as Olimpíadas estão meio apagadas, ninguém fala dela”. Fingi que não entendi muito bem a afirmação.

No dia seguinte, fui almoçar em um restaurante e a TV estava na Globo, enquanto eu acabara de saber que o Brasil estava com chances de medalha no judô. Pedi para a garçonete colocar “nas olimpíadas” (qualquer um dos canais possíveis), e ela perguntou: “em que canal está passando?”.

Poucos dias depois, li um comentário no twitter que criticava a “inércia” das pessoas de assistir à Globo: de acordo com a ‘tuiteira’, ninguém na sala de espera da clínica fazia questão de mudar para a Record para ver as Olimpíadas, e fizeram cara de “espanto” quando ela reclamou.

Utilizou a palavra correta: inércia.

Não acredito que haja uma emissora “melhor” que a Globo. Realmente, a vênus platinada merece todos os créditos e toda a audiência por seu jornalismo correto, sua teledramaturgia quase impecável, entre outros. Mas acho um absurdo viver em um país que depende de um único grupo de comunicação para definir  o que é “sucesso” e o que é “fracasso”.

Li pela internet que a média de audiência das Olimpíadas de Londres é metade da que foi alcançada nos últimos jogos. Porque não é na Globo. Será que a transmissão na Record é tão ruim que as pessoas prefiram assistir outra coisa? Duvido.

Sim, eu sei que “TV é hábito”. Sempre foi. Mas no Brasil, TV é hábito até demais. E sem discutir qualidade nem origem de dinheiro nem merecimento (que geram mais polêmica que mamilos), o fato é que essa inércia faz muito mal.

No fim das contas, a Globo tem mais dinheiro e qualidade porque tem mais audiência, e tem mais audiência porque tem mais dinheiro e qualidade.

É o ciclo da “bolachinha”: está sempre fresquinho porque vende mais ou vende mais porque está sempre fresquinho?

Anúncios

4 comentários em “O problema é a inércia

  1. A Record anda fazendo até uma boa cobertura!!

  2. FABIOTV disse:

    Olá, tudo bem? Reparei, pelas ruas, que o pessoal coloca na Record para acompanhar a Olimpíada.. Já vi em bares, padarias… A situação começa a melhorar.. Abraços, Fabio

  3. Luis Felipe. disse:

    Não consegui entender seu comentário. As pessoas assistem o que quiserem. Se a Record não conseguiu promover os jogos olímpicos, paciência. Trabalhe melhor da próxima vez. Colocar a culpa no telespectador é demais.

    • Daniel Cury disse:

      Luis Felipe, acredito que a audiência seria a mesma de agora, por mais que a Record gastasse milhões na promoção do evento. As Olimpíadas são somente um exemplo atual que mostra que muitas pessoas (não todas) são passivas e assistem só à Globo por pura inércia. Concordo que as pessoas assistem o que quiser e a liderança da Globo é consequência de sua qualidade de programação. A culpa não é só do telespectador, mas eu continuo achando que muitos são “inertes”. Se a Globo estivesse exibindo os jogos, a audiência seria muito maior, e a “qualidade das transmissões” não seria nem de longe o principal motivo: seria simplesmente por ser “na Globo”, e ponto. E isso eu não acho certo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s