A Fazenda 5

Eu não me lembro de praticamente nada das “Fazendas” anteriores. Confundo quem já ficou confinado com quem, e com muito esforço me lembrei de criaturas “mornas” como Danni Carlos (quem?).

Acho que a grande diferença entre A Fazenda e o BBB é que a primeira é brega “assumida”, e não se faz de “metida a séria – alô amigos da nave mãe”.

Reality Show que junta famosos é brega por natureza. É passageiro, fútil e vazio. Entretenimento puro. Ou não. Quem gosta, assiste, quem não gosta, muda de canal.

A Fazenda 5 estreu com todos os cotados pela Flávio Ricco certinhos, sem tirar nem pôr. Tem gente famosa e gente desconhecida não tão famosa assim

Se nos anos anteriores a audiência andava meio em baixa, desta vez parece que a emissora acertou no horário e o reality veio com a missão de tirar a Record do sufoco, já que ela perdeu muito da audiência (vulgo vice liderança) para o SBT. E conseguiu: o reality estreou com média de 17 pontos, alcançando a liderança por alguns minutos… muito mais do que os 6 pontinhos que estava tendo no horário com Máscaras, a novela cheia de erros de Lauro César Muniz.

Vai ser mais um festival de baboseiras, futilidade, bundas e corpos malhados.

E brega, como pede o figurino da Record (e do Brasil-sil-sil).

SNL

Em domingo de Saturday Night Live, a RedeTV! teve audiência aquém do esperado. O programa novo de Rafinha Bastos é inconstante. Algumas coisas engraçadas, outras nem tanto. Outras bem sem graça. O apresentador aproveita pra destilar seu veneno e fazer piadas sem medo.

No fim das contas, o Saturday Night Live do Brasil é mais um programa de comédia do país. Apenas mais um, e nada demais. Por sinal, muito fraco para enfrentar a concorrência pesada da TV que existe no domingo. Podia passar de Segunda.

Embarque neste Carrossel…

E o SBT estreou a sua novela infanto-juvenil Carrossel. Os primeiros minutos já mostraram a que veio a nova adaptação do SBT: criancinhas falando textos “decoradinhos”, atuações “bregas” e personagens clichêzíssissíssimos #patriciapoetafeelings.

Além de tudo isso, a novela conta com Rosanne Mulholland super parecida com a Paola Oliveira no filme “Uma professora muito maluquinha” (teria sido proposital?).

São parecidas, não são?

A versão brasileira de Carrossel está sendo produzida em 2012… mas se tivesse uma imagem um pouquinho mais piorada, ninguém diria. Afinal, tem todas as características de uma novela das décadas de 1980-90. O menino malvado, a “patricinha má”, o mocinho, a gordinha. Todos em uma escola colorida e irreal. Nada por lá parece ser brasileiro, ou corresponder ao que vivemos na realidade de hoje.

Mas quer saber? É disso que as crianças precisam. De sonhos. De personagens que, por mais clichês que possam ser, representam a inocência perdida das crianças de hoje.

Em meio às atrocidades da vida, as crianças precisam de um mundo “faz de conta”, onde a terra é quase céu.

Xuxa

Não. Eu não gosto da Xuxa. Nunca gostei. Sou da geração da Angélica (e deveria ter vergonha de fazer tal afirmação neste blog).

Nem sei o que pensar daquela entrevista que ela deu ao Fantástico. Me pareceu tudo muito falso, forçado. Ela conseguiu a façanha de “bater em cachorro morto”. Dois, ainda por cima. Por que não falou coisas polêmicas dos vivos? Do Pelé? Do Szafir? E por que falou só agora?

Embora a “Rainha dos baixinhos” e dona do bordão “Ahã Cláudia, senta lá” não esteja na minha lista de seres humanos favoritos, também não acho justo “linchar” a imagem da apresentadora. Se ela fez filmes “eróticos” erotizou a infância, foi em outros tempos. Não dá pra condenar alguém pelo seu passado. Fosse assim, muita gente deveria pagar pelos pecados antes da Xuxa.

—–

O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou uma série de medidas que farão aumentar a oferta de crédito para compras de carro. Como se já não bastasse o trânsito caótico nas grandes cidades do país. Redução de IPI e IOF vão fazer o consumidor brasileiro comprar, comprar e comprar. E se endividar, endividar e endividar. O objetivo é que a indústria no país cresça bastante. A medida corrobora com a ideia de que o Brasil quer fazer de tudo pra crescer. Mas tem que tomar cuidado… isso tá parecendo a Record… EITA! Agora eu entendi tudo. O quê? Ah, esquece.

—–

Pretendo tecer comentários sobre Carrossel. Em breve.